Pão de Cristo.


O que se segue é um relato verídico sobre um homem chamado Vitor.
Depois de meses sem encontrar trabalho, viu-se obrigado a recorrer à mendicância para sobreviver, coisa que o entristecia e envergonhava muito.

Numa tarde fria de inverno, encontrava-se nas imediações de um clube social, quando viu chegar um casal.

Víctor lhe pediu algumas moedas para poder comprar algo para comer.

- Sinto muito, amigo, mas não tenho trocado - disse ele.

Sua esposa, ouvindo a conversa perguntou:

- Que queria o pobre homem?
- Dinheiro para comer. Disse que tinha fome - respondeu o marido,

- Lorenzo, não podemos entrar e comer uma comida farta que não necessitamos e deixar um homem faminto aqui fora!

- Hoje em dia há um mendigo em cada esquina! Aposto que quer dinheiro para beber!

- Tenho uns trocados comigo. Vou dar-lhe alguma coisa!

Mesmo de costas para eles, Vitor ouviu tudo que disseram.

Envergonhado, queria afastar-se correndo dalí, mas neste momento ouviu a amável voz da mulher que dizia:

- Aquí tens algumas moedas. Consiga algo de comer, ainda que a situação esteja difícil, não perca a esperança. Em algum lugar existe um trabalho para você. Espero que encontre.

- Obrigado, senhora. Acabo de sentir-me melhor e capaz de começar de novo. A senhora me ajudou a recobrar o ânimo! Jamais esquecerei sua gentileza.

- Você estará comendo o Pão de Cristo! Partilhe-o - disse ela com um largo sorriso dirigido mais a um homem que a um mendigo.

Víctor sentiu como se uma descarga elétrica lhe percorresse o corpo.

Encontrou um lugar barato para se alimentar um pouco. Gastou a metade do que havia ganho e resolveu guardar o que sobrara para o outro dia, comeria 'O Pão de Cristo' dois dias.

Uma vez mais aquela descarga elétrica corria por seu interior. O PÃO DE CRISTO!

- Um momento!, - pensou, não posso guardar o Pão de Cristo somente para mim. Parecia-lhe escutar o eco de um velho hino que tinha aprendido na escola dominical. Neste momento, passou a seu lado um velhinho.

- Quem sabe, este pobre homem tenha fome - pensou - tenho que partilhar o Pão de Cristo.

- Ouça - exclamou Víctor- gostaria de entrar e comer uma boa comida?

O velho se voltou e encarou-o sem acreditar.

- Você fala serio, amigo? O homem não acreditava em tamanha sorte, até que estivesse sentado em uma mesa coberta, com uma toalha e com um belo prato de comida quente na frente.

Durante a ceia, Víctor notou que o homem envolvia um pedaço de pão em sua sacola de papel.

- Está guardando um pouco para amanhã? Perguntou.

- Não, não. É que tem um menininho que conheço onde costumo frequentar que tem passado mal ultimamente e estava chorando quando o deixei.
Tinha muita fome. Vou levar-lhe este pão.

- O Pão de Cristo! Recordou novamente as palavras da mulher e teve a estranha sensação de que havia um terceiro convidado sentado naquela mesa. Ao longe os sinos da igreja pareciam entoar o velho hino que havia soado antes em sua cabeça.

Os dois homens levaram o pão ao menino faminto que começou a engoli-lo com alegria.

De repente, se deteve e chamou um cachorrinho. Um cachorrinho pequeno e assustado.

- Tome cachorrinho. Te dou a metade - disse o menino. O Pão de Cristo alcançará também você.

O pequeno tinha mudado de semblante. Pôs-se de pé e começou a vender o jornal com alegria.

- Até logo!, disse Vitor ao velho. Em algum lugar haverá um emprego.
Não desespere!

- Sabe? - sua voz se tornou em um sussurro - Isto que comemos é o Pão de Cristo. Uma senhora me disse quando me deu aquelas moedas para comprá-lo. O futuro nos presenteará com algo muito bom!

Ao se afastar, Vitor reparou o cachorrinho que lhe farejava a perna.
Se agachou para acariciá-lo e descobriu que tinha uma coleira onde estava gravado o nome e endereço de seu dono.

Víctor caminhou um bom pedaço até a casa do dono do cachorro e bateu na porta.

Ao sair e ver que havia sido encontrado seu cachorro, o homem ficou contentíssimo, e logo sua expressão se tornou séria. Estava por repreender Vitor, que certamente lhe havia roubado o cachorro, mas não o fez pois Victor mostrava no rosto um ar e dignidade que o deteve.

Disse então:

- No jornal de ontem, ofereci uma recompensa pelo resgate. Tome!!

Victor olhou o dinheiro meio espantado e disse:

- Não posso aceitar. Somente queria fazer um bem ao cachorrinho.

- Pegue-o! Para mim, o que você fez vale muito mais que isto! Você precisa de um emprego? Venha ao meu escritório amanhã. Faz-me muita falta uma pessoa íntegra como você.

Ao voltar pela avenida aquele velho hino que recordava sua infância, voltou a soar em sua alma. Chamava-se 

'PARTE O PÃO DA VIDA', 
'NÃO O CANSEIS DE DAR, MAS NÃO DÊS AS SOBRAS, 
DAI COM O CORAÇÃO, MESMO QUE DOA'.

QUE O SENHOR NOS CONCEDA A GRAÇA DE TOMAR NOSSA CRUZ E SEGUÍ-LO, MESMO QUE DOA!

Autor:Desconhecido
Recebi via E-mail. 

5 Comentários:

  1. Parabéns pela postagem, como sempre é um excelente artigo. A Internet no Brasil realmente precisa de postagens de qualidade como estas que você está nos oferecendo. Gostaria de lembrar também um ótimo agregador de conteúdos que vem se destacando muito, que é o Pop Blogs:
    http://www.popblogs.net

    Divulgue quantas postagens gratuitamente você quiser todos os dias (não há limites), sem fila de espera, tenha seus links publicados em nosso site e aumente muito mais as visitas diárias de seu blog.

    ResponderExcluir
  2. Jà que vc está contanto a lenda do Pão de Cristo, aqui está a receita deste pão.
    Esta receita é muito antiga. Não se sabe a origem, mas se popularizou pelas mãos dos monges beneditinos. Pode ser feito o ano inteiro, mas é um dos símbolos da Semana Santa.
    O pão é feito sem nenhuma adição de fermento químico. Há muito tempo eu procurava o soro que é usado para fazer este pão. Quero compartilhar com vocês a receita do pão e do soro. Este soro tem um valor emocional muito grande, pois ele deve ser compartilhado entre amigos e espalhado pelo mundo, formando uma imensa corrente de união e esperança.
    Os três dias que se leva para preparar o pão têm correlação com a Morte e Ressurreição de Jesus Cristo, o nosso Salvador.

    RECEITA DO SORO (FERMENTO NATURAL)

    Ingredientes:
    ½ litro de água
    2 colheres (sopa) de farinha de trigo sem fermento
    2 colheres (sopa) de açúcar
    1 pitada de sal

    Preparo:
    Junte sem mexer, em uma vasilha de plástico ou vidro todos os ingredientes na ordem da receita. Cubra com um pano branco (representa o Santo Sudário) e deixe em local fresco, mas sem vento, por dois ou três dias, a fermentação depende da temperatura ambiente.
    Após a fermentação, mexa bem com uma colher de pau o fermento e divida em três partes iguais:
    1ª - será dada a alguém.
    2ª - mantida em casa numa vasilha de vidro transparente com rosca ou num vidro transparente com rolha, para continuar o fermento.
    3ª - será usada na receita.

    MANUTENÇÃO DA RECEITA DO SORO (FERMENTO NATURAL)

    1º dia à noite:
    Coloque em uma vasilha de plástico ou vidro (nesta ordem):
    1litro de água
    O soro que ganhou
    5 colheres (sopa) de farinha de trigo.
    5 colheres (sopa) de açúcar.
    1 colher (sobremesa) de sal.
    Não mexa os ingredientes. Cubra com um pano branco, deixando em lugar fresco.

    2º dia pela manhã:
    Mexa a mistura com uma colher de pau. Cubra com um pano branco e deixe em lugar fresco.

    2º dia à noite:
    Mexa a mistura com uma colher de pau e divida-a em 3 porções iguais. Coloque as porções em 3 garrafas limpas (500 ml). Guarde duas na geladeira (uma será para você e a outra deve ser DOADA. A 3ª parte você usará na sua receita.

    RECEITA DO PÃO

    Ingredientes:
    15 colheres (sopa) de açúcar cristal.
    4 ovos.
    1 copo (200 ml) de óleo.
    1 kg e 100 g de farinha de trigo ou o suficiente para a massa desgrudar das mãos.
    1/2 litro de fermento natural (aquele que você dividiu).

    Preparo:
    Coloque a 3ª porção do soro numa tigela de vidro ou plástico e acrescente os ingredientes listados, deixando a farinha por último. Misture bem com as mãos, até a massa desgrudar as mãos, mas sem sovar. Enquanto mistura a massa, faça três pedidos a Jesus, com fé. A massa não deve ficar nem muito dura e nem muito mole. Cubra com o pano e reserve em local fresco, mas sem ventilação.

    3º dia pela manhã:
    Unte as formas com manteiga e polvilhe com farinha de trigo. Coloque a massa do pão nas formas até a metade. Se quiser, faça pequenas bolas de massa e coloque nas formas. Reserve em um local sem ventilação e não mexa neles, para que eles possam inchar.

    3º dia à noite:

    Depois de umas 12h, verifique se os pães estão bem inchados. Pincele os pães com gema de ovo e asse em forno moderado por aproximadamente 35 minutos.

    * Observações:

    1 - Guarde o soro para você e dê o outro para alguém acompanhado da receita.
    2 - O soro pode ficar na geladeira por até 15 dias.
    3 - Não use objetos de metal no preparo da massa.
    4 - Você pode usar açúcar mascavo e farinha de trigo integral para substituir o açúcar e a farinha comum.
    5 - Pode reduzir a porção do açúcar pela metade e antes de assar acrescentar linguiça calabresa ou presunto.
    6 - Pode separar pequenas porções, espalhar com a mão e passar uma camada de manteiga de chocolate com canela (1 colher (sopa) rasa de manteiga, 1 colher (sopa) de achocolatado ou chocolate em pó solúvel, 1/2 colher de canela bem misturados).
    7. Você pode acrescentar 100 g de passas e/ou frutas cristalizadas ou gotas de chocolate.

    ResponderExcluir
  3. Nossa vc nao tem noçao do quanto eu procurei essa receita.Encontrei outras mas nao era a que eu procurava,e esta está completa!mto obrigado!!!!

    ResponderExcluir
  4. O melhor pão, é aquele que pode ser partilhado, repartido com o irmão que precisa, a melhor receita é o amor. Não perca a oportunidade, O Criador nos cobrará, não deixe a oportunidade de ser feliz.Quando somos bons para os outros somos melhores pa nós mesmos. Acredite.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...